Zimbrus

A Zimbrus, apesar de, definitivamente, não estar na nossa lista de restaurantes preferidos (simplesmente porque não lembramos dela), tem um papel especial na nossa vida, pois foi o primeiro lugar onde comemos juntos, depois que nos conhecemos.

E essa foi a primeira vez que voltamos lá, desde 2005.

Dessa vez, fomos acompanhados da Daiana, amiga-devoradora de carteirinha. O destino foi escolhido depois uma ampla pesquisa na internet, que considerou localização, tipo de comida e preço.

Chegando lá, encontramos a Zimbros menos lotada do que supúnhamos, já que era uma sexta-feira noite. E nos empolgamos com a “campainha de garçom”, grudada no porta-guardanapo da mesa. Usamos a nossa umas três vezes e a diversão durou até descobrirmos que não funcionava, já que a garçonete não estava usando o “relógio-interfone”.

Só tínhamos visto campainhas iguais em São Paulo – e lá elas funcionavam.

Pedimos uma porção de batata frita com cheddar, um grelhado e um sanduíche, para dividir. Para beber, pedimos sucos de laranja, manga e framboesa.

Tempo de espera: 17 minutos.

A porção de batata era generosa, mas o cheddar chegou frio e duro. Mas eu até entendo. As mesas da Zimbrus ficam todas na área externa e, apesar dos toldos, faz frio noite – fica praticamente impossível manter a comida quente por mais de dez (cinco?) minutos.

O grelhado escolhido foi um filé de frango com molho gorgonzola, acompanhado de arroz piemontese, batata sauté e seleta de legumes. Tirando o frango, que estava realmente muito bom, o prato estava médio. Novamente, a comida chegou morna e ficou fria já na segunda gargafada.

O sanduiche, por sua vez, foi meio decepcionante. A Daiana e o Victor tinham mais expectativas quanto aparência e ao sabor.

O suco de framboesa estava ótimo. O de manga e o de laranja, nem tanto.

Por fim, a Zimbrus, que já não estava na nossa, continuou fora dela.

Nossa conta

R$75,46
(R$25,15 por pessoa)

Onde fica?

Zimbrus
CLS 305 bloco D loja 1
(61) 3242-0000
das 11 s 5h (domingo até 2h)

Já foi lá? O que achou?

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 4.2/10 (22 votes cast)
Zimbrus, 4.2 out of 10 based on 22 ratings
  • Twitter
  • Facebook
  • RSS
  • email
  • PDF
  • Print

Textos relacionados

  • Ainda não há textos relacionados

15 comments to Zimbrus

  • kátiaNo Gravatar

    Poxa, que pena!!!
    Eu gosto muito de lá!!!

    O arroz Piemontese, eu acho uma delícia!!
    As saladas também são muito gostosas!!
    Nunca comi os sanduíches, mas as massas e os crepes tmb são mto bons!!

    Agora, concordo que o atendimento é péssimo!!!
    E os sucos tmb!!
    Já cansei de trocar sucos aguados e azedos….

    pena…se eles prestassem mais atenção a esses detalhes…teria tudo pra dar mto certoo!
    …!!

  • DomRafaNo Gravatar

    Ah! Lá tem arroz piemontês? Bom saber!
    Sempre vou lá para comer salada. Peço a pequena, que é grande. Minhas opiniões: preço justo, atendimento médio (eles quase sempre trocam um ingrediente) mas segue uma ótima opção pra comer algo mais saudável. Vou muito lá!

  • Paty LennyNo Gravatar

    Ai gente, eu amo a Zimbrus. Me lembra minha época de namoro! Vivíamos lá! Adoro a salada!

  • RhyNo Gravatar

    Eu adorava a Zimbrus… meu pai me levava lá quando ainda era só sorveteria hehe
    Mas o atendimento, nunca ví pior! Uma vez um garçom me tratou tão mal que outro veio pedir desculpas pela grosseria!! Não volto mais!
    Beijos

  • TianeNo Gravatar

    Eu amo as saladas e pratos da Zimbrus e por esse motivo sempre acabo voltando… mas o atendimento é péssimo, os garçons totalmente dispersos e sem treinamento, e os pedidos demoram muito a chegar.
    Acho que deveriam orientar os garçons a serem mais educados e prestativos, enfim, adoro o ambiente e a comida… mas o atendimento deixa muito a desejar.

  • luanaNo Gravatar

    Na verdade, a Zimbrus já foi boa… Passado…
    Atualmente, aquela a empolgaçaõ da campainha só dura mesmo até o garçon, depois de vários minutos, vir até sua mesa e mostrar o mau humor intrínseco s pessoas que trabalham lá…

    Não volto mais… Fui uma vez, fiquei chateada. Fui outra, mais ainda… Muita coincidência… Terrível

  • No Gravatar

    Minhas experiências nesse local são as piores, tanto indo lá quanto pedindo pra entregar (chegaram ao cúmulo de esquecer o grelhado do prato q eu pedi, depois da minha reclamação mandaram o filé duas horas depois). Não pretendo voltar lá. Atendimento horrível.

  • ValeskaNo Gravatar

    Gosto das comidas e dos sucos. Acho a decoração legal e sempre tem um videozinho passando com músicos que gosto.
    Mas o atendimento é dos piores, mesmo pra Brasília, que tem uma (justíssima) fama de mau atendimento ao público… Demoram muito até a perceber que você chegou ao restaurante. Não são muito educados, exceto por um ou outro, demoram a trazer seu pedido e (mais ainda) a conta!
    Enfim, por gostar da comida e do “climinha de praia”, continuo frequentando, raramente, e EXCLUSIVAMENTE quando ainda estou com pouca fome e muito tempo! :)

  • ValeskaNo Gravatar

    Na verdade, já pensei em perguntar ao dono se o salário dos garçons era tão ruim assim, mesmo!! kkkkkkkk

  • DanielNo Gravatar

    O lugar é sujo, acabado e entregue as moscas. Fui uma única vez lá pra nunca mais voltar. Fui mal atendido por um garçom estúpido que quase quebrou meu cartão de débito dizendo que tava sem saldo, quando o problema estava na máquina que ele estava usando. Bati o pé e falei: “Não falo mais com você, só com o gerente!” O gerente veio com outra máquina e passou no meu cartão de débito sem problema algum, tudo funcionando perfeitamente e ainda recebi a comprovação do débito por SMS (Serviço do meu banco).
    Pra completar, o suco que pedimos chegou quase 40 minutos depois, isto é, quando estávamos terminando de comer. Além disso ainda passamos pelo inconveniente algumas vezes de gente trazendo sucos e coisas que não havíamos pedido, vários garçons atendendo a nossa mesa a todo momento.
    A salada que pedi veio com 1 item que fiz questão de não marcar (champignons, pois tinha sofrido intoxicação alimentar poucos dias antes e quis me poupar de conservas). Não bastasse isso, metade da minha salada eram champignons. Reclamei e nada fora feito.
    Ah, e o tempo que levou pra me livrar daquele lugar. Levei mais de 1 hora pra conseguir sair daquilo.
    Zimbrus da Asa Sul é o MAIOR ERRO POSSÍVEL.
    Sugiro tentar o do Pier 21. Me pareceu bem melhor a vez que fui.

  • CrisNo Gravatar

    Esta mensagem vai para os donos da Zimbrus. Estive na Zimbrus de Águas Claras e fiquei chocadíssima com os vídeos que a casa apresenta. Pessoas drogadas, vídeos de rock são do pior nível e sugestão para os jovens e pessoas que eles estão convidando para suas casas. O que vocês querem para a galera que chamam para esses locais? Nunca mais irei na Zimbrus ou Geras enquanto eles não modificarem o tipo de vídeos que colocam em plena loja com gente de todas as idades assistindo. Vou dizer prá galera congelar a Zimbrus enquanto essa mudança não for feita. Vamos lutar por um ambiente saudável e não prejudicial ou destrutivo para todos!!! Somente os garçons eram bons no local. A salada e o ambiente péssimos!

  • CrisNo Gravatar

    Esta vai para os órgãos do Governo. Porque os Senhores não visitam estas casas que apresentam vídeos destrutivos aos jovens? Porque os Senhores aprovam a permanência desses vídeos no Brasil, não têm respeito pelos cidadãos e cuidado com os jovens brasileiros? Crianças, adolescentes frequentam estas casas. Nunca mais vou na Zimbrus ou levo minha família lá, total falta de respeito aos seus clientes!!! É preciso que o Governo tenha cuidado com o que aprovam. Ana de Holanda deveria ser substituída por alguém que veja e aprove esses canais de vídeos para casas públicas, restaurantes, casas de sandwiches. Acham que somos animais para aceitarmos qualquer coisa que passam na mídia?

  • PaulaNo Gravatar

    Cria, já experimentou comer numa igreja?

Leave a Reply

  

  

  

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

© Devorando Brasília 2011 | por Stella Alves e Ana Paula Passos